Como comer uma maçã (Por Thich Nhat Hanh)

 

O simples ato de comer uma maçã conscientemente pode trazer muitos prazeres.

Vamos experimentar pouco de consciência plena. (também conhecido com mindfulness, já ouviu falar? Tem um curso sobre isso aqui.) Pegue uma maçã na sua geladeira, ou na fruteira, as pessoas guardam maçãs em lugares diferentes, engraçado isso. Não tem uma maçã? Vá comprar, ou peça para alguém. Qualquer maçã serve, não importa se é Verde, Americana, Gala, Ambrosia, Cameo, Fuji (minha preferida), Argentina, não importa….mas arranje uma maçã.

Lave bem lavada e seque. Antes de dar a primeira mordida, pare por um momento. Olhe para a maçã na palma da sua mão e pergunte-se: Quando eu como uma maçã, eu realmente estou gostando de comê-la? Ou eu estou tão preocupado com outros pensamentos que perco as delícias que a maçã me oferece?

Se você é como a maioria de nós, vai dizer sim para a segunda pergunta com muito mais frequência do que a primeira. Nós passamos a maior parte das nossas vidas comendo uma maçã atrás da outra sem pensar nem por um segundo nisso. No entanto, essa forma inconsciente de comer tem negado a nós mesmos muitos encantos presentes no simples ato de comer uma maçã. Por quê fazer isso? Especialmente quando é tão fácil de apreciar verdadeiramente a maçã?

A primeira coisa a se fazer é dar toda a sua atenção ao comer uma maçã.

Quando você comer uma maçã, se concentre em apenas comer uma maçã. Não pense em mais nada. E o mais importante: Fique quieto. Não coma uma maçã enquanto você estiver dirigindo. Não coma enquanto você estiver andando. Não coma enquanto você estiver lendo. Basta acalmar-se. Se tornando mais focado, abrandando lentamente lhe permitirá saborear verdadeiramente todas as qualidades que a maçã tem a oferecer: sua doçura, aroma, frescura, suculência e crocância.

Em seguida, pegue a maçã na palma da sua mão e tome um momento para olhar para ela novamente. Inspire expire algumas vezes conscientemente, isso ajuda a melhorar o seu foco para então entrar mais em contato com a forma como você se sente sobre a maçã. Na maioria das vezes, mal olhamos para a maçã que estamos comendo. Nós a pegamos, damos uma grande mordida, mastigamos rapidamente e depois engolimos. Dessa vez tome nota:

  • Qual é o tipo da maçã? (Gala, Fugi, Argentina, etc)
  • Qual a cor da maçã? (procure ir além do óbvio…)
  • Como você se sente com ela em sua mão?
  • Qual é o seu cheiro?
MaçoÉ passando por esses pensamentos que você vai começar a perceber que a maçã não é simplesmente um lanche rápido para silenciar o estômago em resmungos. É algo mais complexo, algo que faz parte de um todo maior.

Então sorria para a maçã, lentamente dê uma pequena mordida e mastigue. Esteja ciente de sua inspiração e expiração por alguns momentos pata te ajudar a se concentrar unicamente em comer a maçã: O que sente com ela em sua boca; que gosto tem; como é mastigar e engolir. Não há mais nada percorrendo sua mente, como se você não estivesse mastigando nenhum projeto, sem prazos, sem preocupações, sem “coisas para se fazer”, sem medos, sem sofrimento, sem raiva, sem passado e sem futuro. Existe apenas uma maçã.

Quando você mastigar, saiba o que você está mastigando. Mastigue devagar e completamente, de vinte a trinta vezes para cada mordida. Mastigue conscientemente, saboreando o sabor da maçã e sua nutrição, imergindo-se 100% na experiência. Dessa forma, você realmente aprecia a maçã como ela é. E quando você se torna plenamente consciente de comer uma maçã, você também se torna plenamente consciente do momento presente, você se torna totalmente engajado no aqui e agora. Vivendo o momento você pode perceber o que a maçã oferece a você e você se torna mais vivo.

Esse texto foi escrito pelo renomado mestre zen e poeta Thich Nhat Hanh em parceria com a doutora Lilian Cheung (especialista em nutrição). Foi publicado originalmente no livro “Savor: Mindful Eating, Mindful Life” Em uma tradução livre seria algo como “Saborear: Comer com consciência plena é viver com consciência plena”, Infelizmente não está disponível em português, mas de qualquer forma, você pode conhecer um pouco mais sobre a história do Thich Nhat Hanh nesse link. Super recomendo.

 



Comentários do Facebook

um comentário


  1. […] Um exemplo da prática de atenção plena. […]

    Responder

Deixe uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado Os campos obrigatórios estão assinalados por um asterisco. *